> Santa Catarina busca aproximação com ecossistema de tecnologia indiano - Acate ">

Destaques

30/jan/2020

Santa Catarina busca aproximação com ecossistema de tecnologia indiano

Delegação de 70 representantes de empresas e associações setoriais brasileiras participou de Fórum e visitas técnicas com empresários indianos em missão Brasil-Índia 2020

Com o objetivo de reunir diversos setores da economia brasileira em busca de acordos comerciais, maior cooperação, parcerias estratégicas e promoção de negócios entre os países, uma delegação brasileira viajou à Índia em missão presidencial de 25 a 28 de janeiro. Por meio do Ministério de Ciência e Tecnologia da Informação (MCTIC) e da Associação Nacional Promotora de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), a tecnologia da informação foi um dos setores representados na missão. Daniel Leipnitz, presidente da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE) e vice-presidente da Anprotec, participou da missão junto ao Governo Brasileiro e às instituições indianas contribuindo com o painel India — Brazil Business Forum, na tarde desta segunda-feira (27).

“Este é um momento muito importante para o setor de tecnologia brasileiro e representa um passo no nosso reconhecimento para o país e para o mundo”, afirmou Daniel. “Conseguimos fazer diversos contatos, conversar e nos aproximar de membros do Governo Brasileiro que podem nos ajudar a desenvolver cada vez mais o nosso ecossistema, bem como de instituições de tecnologia indianas que são referência na formação de talentos e mão-de-obra qualificada”, acrescenta. O painel foi realizado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimento (Apex Brasil) em parceria com o governo indiano, a Confederação da Indústria Indiana (CII), as Câmaras Associadas de Comércio e Indústria da Índia (ASSOCHAM) e a Federação das Câmaras de Comércio e Indústria da Índia (FICCI), e contou com a presença de autoridades, empresários e investidores dos dois países.

Em sua participação no painel India-Brazil Business Forum, Daniel falou sobre programas brasileiros como o land2land, iniciativa da Anprotec, da Apex-Brasil e do Serviço Brasileiro de Apoio às Pequenas e Micro Empresas (Sebrae) que oferece uma plataforma para softlanding, ou seja, maior facilidade de acesso, para a internacionalização de empresas. Outro programa apresentado no Fórum foi o StartOut Brazil, promovido pelo Governo Federal, que tem como objetivo enviar startups para missões internacionais de negócios. Somente em 2019, startups brasileiras participaram de ciclos em Toronto, Boston e Xangai.

Estiveram presentes, além da tecnologia, representantes dos setores de: alimentos e bebidas, biocombustíveis, biotecnologia e móveis, defesa, farmacêuticos, calçados e couro, casa e construção, metais e pedras preciosas, minerais, químicos, cereais e máquinas e equipamentos. Além do Fórum, a delegação participa também de visitas técnicas e eventos de networking entre empresários brasileiros e estrangeiros.

Em recado enviado ao setor de tecnologia brasileiro, Daniel afirmou: “Estou muito honrado em poder representar todos vocês e o nosso país, e podem ter certeza de que o fiz com a maior responsabilidade possível. Vamos aproveitar essa oportunidade e trabalhar bastante para que a gente possa desenvolver cada vez mais as nossas empresas”.