Conteúdos que inspiram e ajudam a apontar caminhos
para quem faz a inovação.

 

Crédito viabilizado pelo Fundo Garantidor ACATE impulsiona startup WiFeed

A startup florianopolitana WiFeed, que atua com soluções de marketing e inteligência de dados para wi-fi em estabelecimentos, obteve acesso a crédito financeiro através do Fundo Garantidor ACATE (FGA). A iniciativa garantiu que a startup expandisse sua atuação, desenvolvesse projetos e crescesse 17% por cento em receita no primeiro mês após a operação.

Criado em 2020, o Fundo Garantidor ACATE foi lançado no mês de março, quando a pandemia iniciava no Brasil. Em um momento importante para a tomada de decisões por lideranças e o futuro dos empreendimentos em meio à crise sanitária, Bruno Guimarães, CEO e cofundador da WiFeed, buscou conhecer mais sobre as cartas de garantia oferecidas pelo fundo e as linhas de crédito disponíveis. “A partir do momento em que começou a fechar as portas dos estabelecimentos, e como atuamos através do wi-fi das empresas, ninguém estava saindo de casa, indo ao bar, ao supermercado, ao restaurante, e ninguém acessava o wi-fi, então nosso negócio deixou de gerar valor para os estabelecimentos físicos naquele período”, afirma Guimarães, que via no momento a necessidade de capital para o negócio. No período de incertezas, a startup optou por um investimento equity e pela conexão com um investidor experiente.

Em abril de 2021, a WiFeed lançou a solução Smart Connect em parceria com dois players de referência no mercado: Intelbras e a Algar Telecom. O projeto atende de ponta a ponta todos os tipos de negócios que desejam oferecer internet gratuita a seus clientes. Com a parceria, a demanda estimada aumentaria em cinco vezes o número de vendas, o que exigiria equilíbrio de caixa e expansão da equipe, relata o CEO. Com esta oportunidade, a WiFeed decidiu captar recursos através do Fundo Garantidor ACATE para investir na empresa.

A entrada no processo, pela WiFeed, para a captação de recursos iniciou em julho de 2021. Com apoio da equipe financeira da ACATE, que realiza suporte aos interessados com todas as informações referentes a taxas e documentos necessários, e demais parceiros do FGA, garantiu-se a agilidade do processo para que a empresa recebesse o crédito em menos de dois meses para auxiliar em sua jornada. 

A startup acessou o fundo através de uma linha de crédito disponibilizada pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). Guimarães afirma que a decisão de realizar a operação foi acertada. “Para uma empresa com alto ritmo de crescimento, que está em fase de tração, que o mercado sabe que está em uma jornada de venture capital, este custo de capital é muito barato frente ao que pode-se entregar de crescimento”. O CEO acrescenta que o capital investido permitiu a mudança de modelo de negócios, de estratégia comercial, que era apenas por venda direta e pôde ser capilarizada para canais de venda através da parceria com a Algar Telecom. Com isso, a startup aproxima-se de sua fase de tração.

Guimarães planeja para o próximo ano novos investimentos, com um valuation maior de sua empresa, devido ao crescimento proporcionado pelo crédito viabilizado pelo fundo. O CEO define que a operação trouxe confiança para os investidores e ampliou o nível de gestão para obter uma estrutura de capital equilibrada. “As operações de crédito tem uma avenida de crescimento muito grande entre as startups, para empreendedores e também para operadores”, aponta.

O Fundo Garantidor ACATE

O FGA é uma iniciativa da associação que tem o objetivo de fomentar o setor catarinense de tecnologia através do acesso das empresas a financiamentos por meio de garantia. As cartas fornecidas são no percentual máximo de 80% do valor limite de garantia, que é de até R$ 280.000,00. Enquanto, o valor máximo de operação é de R$ 350.000,00 em linhas de investimento para capital de giro, puro e misto.

Annalisa Dall Zotto, vice-presidente de finanças da ACATE, destaca os benefícios do FGA para os negócios: “O Fundo Garantidor ACATE é uma excelente alternativa, porque com a garantia a tendência é que as taxas de juros sejam competitivas, então a empresa tem acesso a essa linha de crédito que é tão interessante”, destaca. A associação ainda pretende disponibilizar novas linhas, para isso busca parceiros para ampliar as possibilidades de financiamentos através do fundo. 

Para ter acesso às garantias para o financiamento é necessário ser uma empresa associada à ACATE pelo período mínimo de seis meses, estar em dia com suas obrigações, estar em atividades e possuir faturamento por mais de 12 meses, além disso, a pessoa jurídica e sócios não podem ter restrições cadastrais.

O fundo é operado por instituições financeiras, como o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e cooperativas de crédito presentes em todo o estado de Santa Catarina. A iniciativa tem a parceria do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que fornece garantias além do FGA, por exemplo, através do Fundo de Aval para as Micro e Pequenas Empresas, o Fampe. Outro parceiro é a Sociedade Garantidora de Crédito (SGC), que formaliza a carta de garantia aos associados.

O FGA ainda conta com o apoio de empresas instituidoras, ou seja, que investiram recursos na composição do fundo. São elas: Audaces, Automatisa, Blendus, Brasilrad, Cebra, Cianet, DOT Digital Group, Jexperts, JXS, Neoway, Grupo Nexxera, Paradigma, Pixeon, Poligraph, Softplan, Specto, Teltec Solutions, Visto Sistemas, Wavetech e Way2.

Para saber mais sobre o Fundo Garantidor ACATE, acesse a página da iniciativa. E também, assista ao vídeo sobre benefícios financeiros para startups, em que participam Bruno Guimarães, CEO da WiFeed, Annalisa Dall Zotto, vice-presidente de finanças da ACATE, e Felipe Couto, gerente de planejamento no BRDE.


Deixe seu comentário