Conteúdos que inspiram e ajudam a apontar caminhos
para quem faz a inovação.

 

Startups e cooperativismo de crédito: entenda como esses dois mercados ascendentes podem crescer juntos

Por Hélio Cordeiro Mariano, Diretor de Tecnologia e Serviços da Central Ailos

Santa Catarina é referência em cooperativismo de crédito. Segundo a Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc), 25,9% da população residente na região está ligada a uma das 61 instituições atuantes. A média nacional é de 4,7% da população brasileira.

A assinatura catarinense também está em outro setor. Segundo o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o Brasil tem o maior número de fintechs na América Latina. Entre 2016 e 2018, de acordo com o boostLAB, o valor investido nesses negócios cresceu sete vezes no país. Santa Catarina, como polo de tecnologia e inovação que é, desponta no segmento: a Acate já atua com uma vertical dedicada exclusivamente a soluções do ramo.

Os números não deixam dúvidas que o estado se destaca nacionalmente nessas duas áreas: cooperativismo de crédito e tecnologia. E entendemos que podemos colher frutos ainda melhores, se esses dois mercados em ascensão trabalharem colaborando um com o outro. Mas, como?

O primeiro passo é termos clareza de que todos precisam de inovação. Do lado das cooperativas de crédito, soluções tecnológicas que facilitem a vida do cooperado e tragam ainda mais transparência para as operações serão cada vez mais importantes. Para as fintechs, ter suas ferramentas aplicadas em diferentes cenários, com propostas de atuação de instituições financeiras diversas é fundamental para ampliar a aderência dos produtos. O que precisamos é unir esses dois universos.

Entendemos que o primeiro passo para essa aproximação é a quebra de estereótipos. Que os empreendedores de fintechs compreendam que o cooperativismo está conectado com relações mais transparentes entre as pessoas e com a colaboração, temas que são apontados como tendência de comportamento em qualquer setor. Por outro lado, que as cooperativas não vejam as fintechs nem como disruptivas demais para o seu modelo, nem como inacessíveis para o seu público.

Nós, do Ailos, estamos indo além disso. Através do InPulse, temos ciclos contínuos para aproximação com startups nas áreas de rastreabilidade de jornada do usuário, relacionamento pós-venda, educação financeira para pessoas jurídicas, modelos de análise de crédito, geolocalização, cobrança e recuperação de crédito, relacionamento em canais digitais e open banking. Além disso, já abrimos uma chama de startups para conhecermos insurtechs.

Estamos esperando por ideias como a sua para evoluirmos juntos. Contrataremos as soluções mais aderentes, que serão implantadas para os mais de 750 mil cooperados de 13 cooperativas de crédito.

E é isso que nos propomos: ouvir, adaptar, evoluir e implementar junto com a comunidade de startups soluções que tornem os mercados mais fortes e as pessoas mais próximas à sua vida financeira. É possível se todos estivermos abertos a inovar.


Deixe seu comentário