Conteúdos que inspiram e ajudam a apontar caminhos
para quem faz a inovação.

 

Quais as diferenças entre incubadoras, aceleradoras e espaços de inovação aberta?

*Este é o primeiro artigo da série que será atualizada, semanalmente, durante todo o processo seletivo do MIDITEC. Serão abordados assuntos mais básicos, como o deste artigo, até temas mais complexos.

Com o crescimento das empresas de tecnologia no século XXI, ambientes como incubadoras, aceleradoras e espaços de inovação aberta estão cada vez mais popularizados. Mas a confusão sobre a diferença entre essas três iniciativas também é grande. Confira as diferenças entre incubadora, aceleradora e espaço de inovação aberta:

Incubadora

Uma incubadora, como o MIDITEC, fortalece e prepara pequenas empresas para o mercado. Para isso, ela geralmente oferece a estrutura física necessária para o seu negócio prosperar. No caso do processo de seleção do MIDITEC em 2019, há vagas para empresas residentes e não-residentes. A incubadora tem como objetivo apoiar empresas formalmente constituídas, com produtos, processos ou serviços inovadores consolidados e com modelo de negócio já definido. São programas que podem depender de verba pública ou privada para funcionar – no caso do MIDITEC, o SEBRAE – e não têm fins lucrativos.

No MIDITEC, a incubação é dividida em três principais fases:

  • Fase Start: tem duração de um a seis meses. É destinada a entender os problemas do cliente e testar as hipóteses do mercado. Nesta fase, a ideia é garantir que o produto realmente resolva um problema do cliente, ou seja, que encontrou o Product Market Fit. É um momento de planejamento e também mão na massa, para mapear, testar e analisar os potenciais clientes e assim, realizar o refinamento do modelo de negócio. Nesta fase, a startup já deve ter um MVP (clique aqui para saber o que é MVP) pronto e rodando com pelo menos alguns clientes beta.
  • Fase Growth: tem duração de 12 meses.  O objetivo é verificar se o processo de vendas é viável e se o seu produto é rentável, isto é, se existe um número suficiente de clientes a pagar por ele. Nesta fase a startup deve estar rodando o seu modelo de negócio com o seu motor de tração, marketing e vendas e o produto já tem de estar no mercado e com clientes pagantes.
  • Fase Expansion: tem a duração de seis meses. É o estágio de maturidade da empresa, quando ela já está com sua máquina de vendas validada e rodando e agora se prepara para escalar e acelerar. Deve haver um esforço maior para captar investimentos, estruturar melhorar seus canais de venda e distribuição, estruturar setor comercial, elevar volume de vendas e atingir break even –  o ponto em que a empresa consegue pagar suas contas – ou alavancar com recursos de terceiros. Nesta fase, a startup se prepara para sair da incubadora, então já deve apresentar a maturidade necessária para ser uma empresa pós-incubada.

Cada uma das fases é composta por diferentes atividades e entregas a serem realizadas. Estas atividades serão pautadas nos eixos: empreendedor/time, produto/serviço, gestão, mercado/comercial e financeiro.

 

Ficou interessado em fazer parte do MIDITEC, a 5ª melhor incubadora do mundo eleita pelo ranking UBI Global? Veja as regras para participação no edital e inscreva-se neste link: http://bit.ly/miditec_inscrição2019.

Aceleradora

Apesar de que a função das aceleradoras também seja oferecer suporte às startups, elas operam de uma maneira menos burocrática, visando empresas que têm potencial de crescimento muito rápido, sem necessidade de um grande aporte financeiro. Nesse caso, os financiadores dos projetos são majoritariamente da iniciativa privada. As aceleradoras compram ações e se tornam sócias das empresas participantes, tendo lucro quando os negócios também obtiveram retorno positivo.

As aceleradoras transformam o modelo de negócio em algo concreto, auxiliando os empreendedores no posicionamento no mercado e na consolidação da ideia. No CIA Primavera há uma incubadora, a Darwin Startups, que foi eleita a melhor do Brasil em 2018 pelo prêmio Startup Awards.

Espaço de inovação aberta

Os espaços de inovação aberta conectam as startups com empresas já consolidadas no mercado. Deixando de lado a ideia de várias empresas competindo entre si com seus próprios funcionários, nesses locais há o trabalho em conjunto, buscando solucionar problemas que pertencem a mais de uma empresa.

Os espaços de inovação aberta, por meio do patrocínio de grandes e médias empresas, oferece estrutura física e de mentoria para as startups selecionadas com o objetivo de solucionar determinadas dores do mercado.

A ACATE possui um espaço de inovação aberta no CIA Primavera, o LinkLab, que ocupa uma área de 640 m2, em um ambiente colaborativo e de coworking.


Deixe seu comentário