Verticais

27/nov/2018

Encontro discute na ACATE o papel do líder no desenvolvimento da cultura organizacional

O assunto foi tema de painel da edição de novembro do Vertical Meeting, evento mensal organizado pela Associação Catarinense de Tecnologia

O penúltimo Vertical Meeting do ano teve como temática o papel do líder na formação da cultura organizacional nas empresas. O evento, uma iniciativa do programa de Verticais de Negócios da ACATE, foi realizado na noite de segunda, dia 26 de novembro, no auditório da entidade, e contou com um painel sobre como o líder favorece as relações humanas.

 

O evento foi aberto com palestra de Monique Dasenbrock, consultora da Sonata Brasil, empresa brasileira de atuação global focada na formação de líderes, unindo teoria e prática. Monique trouxe diversas reflexões sobre os atuais desafios do líder nas empresas e a importância do reconhecimento e a aprimoramento da cultura organizacional. Entre os principais desafios destacados pela especialista, a partir de estudos e pesquisas que a Sonata conduziu, estão a gestão do tempo do líder; o seu relacionamento e tratamento com as pessoas; o exercício do poder por meio da liderança.

 

Na sua opinião, a empresa e sua equipe são reflexos diretos de como seus líderes atuam na organização. “Não sei se foi você que escolheu, ou se você foi escolhido, mas o fato é se você ocupa uma posição de liderança, você possui uma enorme responsabilidade sobre a forma como as pessoas a sua volta estão se sentido”, resumiu Monique.

 

Após a exposição inicial, o evento reuniu especialistas em um painel para discutir e compartilhar experiências na formação de líderes nas organizações. Participaram Radamés Martini, CEO da SocialBase, uma plataforma social colaborativa; Fuad Apene Jr, coach e sócio da Nion; Túlio Duarte, sócio da Harbor Informática Industrial e diretor da Vertical Manufatura da ACATE. A mediação ficou a cargo da própria Monique. As discussões passaram por alinhamento de propósito, desenvolvimento de uma cultura forte, a formação contínua de lideranças e o entendimento do ciclo de crescimento e desenvolvimento dos colaboradores.

 

Cultura com comunicação na SocialBase

Radamés abriu o painel destacando a importância da empresa ter seu propósito muito bem definido e objetivo, que esteja refletido diretamente na cultura da organização. “Em segmentos como o setor de tecnologia, por exemplo, em que a concorrência entre os melhores talentos é acirrada, as empresas precisam investir para que seu propósito e sua cultura estejam transparentes, sobretudo para atrair os melhores candidatos”, destacou. Neste contexto, a liderança tem um papel relevante na manutenção da cultura das organizações.

 

A importância da comunicação também foi levantada por Radamés, ao ser questionado no painel. A SocialBase possui algumas estratégias para que lideranças e liderados possam estarem alinhados e, sobretudo, terem uma comunicação fluida e eficiente. Entre as ferramentas utilizadas estão o “planejamento estratégico em uma página”, em que toda a empresa tem acesso aos objetivos estratégicos, e as premissas para alcançar o “sonho grande” esperado, com indicadores claros de como serão atingidos. O “one a one”, uma conversa objetiva entre líder e liderado também é um dos principais recursos que permitem uma comunicação estruturada dentro da SocialBase.

 

Comunicação entre sócios deve ter atenção

Fuad compartilhou suas experiências como coach e formando líderes em diversas organizações que já atuou como consultor. Sua trajetória apoiando diretamente empreendedores, sobretudo na área de tecnologia, foi destacada na sua fala. Fuad é consultor nesta área no MIDITEC, incubadora da ACATE com o Sebrae-SC, que já formou dezenas de empresas (e empreendedores) nos últimos 20 anos.

 

Como consultor em empresas nascentes de tecnologia, detectou que a comunicação entre os sócios é um dos principais problemas nas fases iniciais do negócio e que, se não forem resolvidas no desenvolvimento da empresa, podem refletir no negócio, no relacionamento com os clientes e na sequência da formação dos líderes que a empresa precisará desenvolver ao longo da sua trajetória. Nestas circunstâncias, o papel do líder precisa emergir. Fuad acredita que não existe líder nato – ele acaba se apresentando e aparecendo de acordo com as circunstâncias que se depara.

 

Empreendedor e líder na visão da Harbor

Na sua fala no painel, o diretor da Harbor Túlio Duarte compartilhou sua trajetória na empresa, de estagiário a sócio do negócio, e como foi se adaptando ao longo do tempo para exercer sua liderança, tanto na empresa, quanto na ACATE, enquanto diretor da Vertical Manufatura. Com background técnico, Túlio destacou os desafios que foi enfrentando quando passou a conduzir, no negócio, práticas de gestão de pessoas e definição de uma cultura organizacional. Na sua opinião, tempo e percepção são características fundamentais para que o líder possa exercer sua função com eficiência nas empresas.

 

Algumas dinâmicas aplicadas na Harbor têm facilitado a comunicação interna e a formação de lideranças na empresa, segundo Túlio. Encontros semanais, sempre com um tema específico, para compartilhamento de conquistas ao longo da semana é um destes, bem como ferramentas visuais para apoiar as reuniões.