Destaques

14/Jan/2022

Startup Nina, de Palhoça, cresce 100% em 2021 com solução de confirmação de consultas de saúde

Empresa criada há três anos, e que tem à frente o CEO Roberto Dozol (foto), contabiliza mais de 10 milhões de consultas e exames confirmados.

Nina Tecnologia, plataforma que conecta profissionais e empresas de saúde com pacientes a partir de soluções para confirmação de consultas e exames, registrou um salto de 100% nas receitas (não divulgadas) em 2021 em comparação com 2020. Com sede em Palhoça, a startup fundada há três anos pelos sócios Roberto Dozol (CEO), Elinton Dozol Machado (CTO) e Laerte Dozol Machado (diretor administrativo) conta hoje com cerca de 80 clientes, a maioria clínicas, hospitais, laboratórios e operadoras de saúde de todas as regiões do país, contabilizando mais de 10 milhões de confirmações de consultas e exames para eles.

Somente em Santa Catarina, são mais de 41 empresas que usam com a solução, como a Unimed Tubarão. Desde 2019, Nina evitou que 40% dos pacientes faltassem a consultas e a exames nos serviços próprios da cooperativa do sul do estado, uma média de 4 pacientes a cada 10 agendamentos. “Resolvemos um problema que não tínhamos como conter. É difícil saber se o paciente faltará à consulta ou ao exame, e quando isso ocorria, éramos avisados em cima da hora, sem tempo hábil para encaixes”, conta Mirela Mendes de Morais, líder de Atendimento do Centro Médico Unimed.

Na região sudeste, a mineira MedMais Consulta, que atua com serviços de medicina especializada e exames de alta e baixa complexidade, confiou à Nina a gestão de suas agendas, considerada uma das áreas mais importantes da empresa. O índice de falta mensal, que era em torno de 18%, caiu para menos da metade. Além do faturamento aumentar, o CEO Felipe Dias ressalta a redução de custos, já que o sistema de Nina faz sozinha o trabalho de três colaboradores da MedMais.

“O desafio é o mesmo para todas as empresas de saúde que realizam algum tipo de agendamento. O absenteísmo no Brasil, seja na saúde pública ou privada, representa 30% dos problemas de gestão e acarreta ociosidade de profissionais, custos administrativos, filas de espera para consulta ou exame que acabam se convertendo em críticas do paciente ao prestador de serviço”, explica o CEO Roberto Dozol. Embora os planos sejam ampliar a atuação no mercado brasileiro, a Nina projeta uma expansão internacional em 2022, a partir da América Latina.

*Fonte: SC Inova