Destaques

08/jul/2019

Vice-presidente de finanças da ACATE, Marcos Lichtblau assume coordenação geral do Pacto pela Inovação

Dentre 137 ações pactuadas pelas entidades, o Pacto já entregou três novos centros de inovação em Florianópolis, inseridos numa Rede Municipal, e entre as prioridades da nova gestão destacam-se alinhar gestores e ações e promover uma Assembleia Geral para prestação de contas

O vice-presidente de finanças da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), Marcos Lichtblau, foi eleito na tarde da última quinta-feira, como novo coordenador geral do Pacto pela Inovação, ao lado de Carlos Henrique Ramos Fonseca, Diretor Superintendente do Sebrae/SC, na vice-coordenação. O projeto trata-se de um compromisso de parceria e colaboração firmado em 2017 entre entidades públicas — como autarquias de governos, fundações, federações, entidades associativas e instituições de ensino — e empresas privadas de Santa Catarina, ligadas ao setor de tecnologia, em prol do fomento, incentivo e fortalecimento do ecossistema de empreendedorismo e inovação do Estado.

Dentro do Pacto, são listados 10 grandes objetivos, que incluem ser um fórum de referência para discussão, estudo, proposição e realização de ações no campo da ciência, tecnologia, inovação, empreendedorismo e educação, por meio da conexão dos agentes do ecossistema de inovação e da integração das políticas, a fim de aumentar o seu impacto e relevância. Além disso, o projeto visa contribuir para a ampliação da cultura de inovação e do empreendedorismo no Estado, para a inserção da ciência, tecnologia e inovação nas empresas, e para a agregação de conhecimento e valor nos setores tradicionais, ajudando na transformação digital deles. Outros objetivos incluem ajudar a equilibrar diferenças regionais e aumentar o investimento público e privado em pesquisa, desenvolvimento e inovação, e tudo isso será alcançado a partir de um conjunto de ações que já vêm sendo tomadas pelos agentes de inovação catarinenses, focadas em transformar o Estado em um dos mais inovadores do mundo, até 2030.

Para Marcos, um dos grandes desafios da nova gestão é dar velocidade ao processo. “Precisamos alinhar os cinco grupos de trabalho do Pacto e seus gestores, para mapear o andamento das 137 ações catalogadas na plataforma do projeto pelas pactuadas, e assim produzir uma fotografia atual das ações”, afirma. Atualmente, 37 instituições fazem parte do Pacto, sendo que outras quatro entidades já solicitaram a entrada no pacto, e mais três sinalizaram, na reunião da última quinta-feira, que desejam ingressar. “Com essa organização e a liberação dessas entidades represadas, poderemos avançar em novas definições, como a realização de assembleia geral em outubro, quando o Pacto pela Inovação completa dois anos de existência, em que teremos a oportunidade de prestar contas à sociedade sobre o que está sendo feito e entregue”, declara Marcos.

Alguns exemplos de conquistas já alcançadas são as ações com que a ACATE se comprometeu, que incluem a criação de novos Centros de Inovação e a ampliação da rede de LinkLabs. “Em 2018, abrimos três novos Centros em Florianópolis, integrados em uma Rede pioneira no Brasil, e em agosto será inaugurado o CIA São José. Quanto aos LinkLabs, o de São José será inaugurado também em agosto, além de nova unidade em Joinville, no Ágora Tech Park”, explica Marcos.