Conteúdos que inspiram e ajudam a apontar caminhos
para quem faz a inovação.

 

Conheça os principais tipos de investimentos em startups – e como o MIDITEC pode ajudar nisso

Receber investimento para crescer é desejo de grande parte das startups. Para algumas, o aporte de capital é essencial para o negócio chegar ao nível que o empreendedor deseja.

Para as empresas que estão incubadas no MIDITEC, existe uma aproximação entre as startups e as fontes de financiamento de capital de risco, que prioriza o contato com a Rede de Investidores Anjo de SC – RIASC (uma iniciativa da ACATE em parceria com a Anjos do Brasil) e fundos de venture capital. Além disso, facilita o acesso a linhas como MPME (BRDE-BNDES) e Inovacred (Badesc e BRDE).

Ficou interessado em fazer parte do MIDITEC, a 5ª melhor incubadora do mundo eleita pelo ranking UBI Global? Veja as regras para participação no edital e inscreva-se neste link: http://bit.ly/miditec_inscrição2019.

Conheça os principais tipos de investimentos em startups e em que nível do negócio eles são feitos:

Bootstraping

O bootstraping é aquele tipo de investimento que praticamente todo empreendedor faz para iniciar seu negócio. É o dinheiro do próprio bolso do(s) dono(s) que vai dar possibilidade para a startup dar os passos iniciais de validação do negócio.

 

Investimento-anjo

É o investimento realizado por pessoas físicas, que compram partes de empresas que ainda estão em fases iniciais, mas que já são promissoras. É um dos tipos de investimentos em startups mais conhecidos.

 

Incubação

As incubadoras, como o MIDITEC, geralmente não investem dinheiro diretamente nas empresas, mas oferecem espaço físico para as startups montarem seu negócio e crescerem. Além disso, algumas também investem capital técnico, oferecendo mentorias e capacitações para os membros das empresas.

As empresas incubadas pelo MIDITEC têm acesso a todos esses benefícios e com um diferencial: podem participar de todo o ecossistema de inovação, networking e eventos que existe no CIA Primavera.

Aceleração

As aceleradoras, geralmente com o apoio de patrocinadores, compram participação acionária de empresas com alto potencial de rápido crescimento. Elas auxiliam as startups a se desenvolverem, com mentorias para modelagem do negócio, aquisição de clientes e rede de contatos.

 

Venture Capital

Focado em startups em fase de crescimento, esse tipo de investimento de risco é realizado por fundos e consiste na compra de participação acionária nas empresas. Assim como o risco, o retorno esperado também é alto, para que o fundo possa revender suas ações no futuro com lucro expressivo. Geralmente o aporte dos fundos é acima de R$ 500 mil em cada empresa.

 

Private Equity

Quando a empresa já está consolidada, possui uma fatia significativa do mercado e quer expandir ainda mais suas operações, ela procura por investimentos feitos por fundos de private equity. Nesse tipo de negócio, os fundos, além de comprar participação acionária, podem exigir metas de faturamento e participar da gestão da empresa.

O último passo de investimentos em uma startup é o IPO, termo em inglês para oferta de ações na bolsa de valores. Nesse caso, a empresa ou os fundos que investiram nela vendem parte de sua participação acionária e a empresa passa a ter responsabilidades de gestão e de fiscalização dos processos muito maiores.

Confira outros artigos da série sobre o processo seletivo do MIDITEC:
Quais as diferenças entre incubadoras, aceleradoras e espaços de inovação aberta?
Você sabe o que é um MVP?
Saiba quando sua startup está preparada para ser incubada no MIDITEC

Entenda a diferença entre incubação residente e virtual no MIDITEC


Deixe seu comentário